Covilhã: a cidade do amor!

Conheça a história de Mantas e Janine Ele nasceu na Lituânia, ela na cidade de

Covilhã: a cidade do amor!
Foto: Aline Grupillo

Conheça a história de Mantas e Janine

Ele nasceu na Lituânia, ela na cidade de Três Barras, Santa Catarina, Brasil. Quase 11 mil quilómetros de distância encurtados pela Covilhã. Mantas e Janine tinham tudo para dar errado. Culturas e costumes diferentes, objetivos distintos, mas o que a Covilhã une, ninguém separa e os dois estudantes do curso de Arquitetura, que se conheceram por acaso, estão contando as horas para estarem juntos novamente.

A história desse casal começa muito antes deles se encontrarem. Mantas Sevelkovas, 22 anos e família de origem russa, veio morar em Portugal com os pais ainda criança. Aluno do segundo ano na Universidade da Beira Interior, foi depois de uma festa de caloiros que se aproximou de Janine, brasileira da mesma idade e estudante de intercâmbio que morava com duas polacas amigas de Mantas.

Um dia ele apareceu lá em casa, eu estava me arrumando pra sair e ficamos conversando em inglês”, conta a jovem.

“Eu vi que era uma menina bonita, mas não era só a beleza. A Janine tem um jeito diferente, ela é única”, resume o rapaz.

Mas apaixonar-se não estava nos planos da jovem que sabia que a estada por aqui seria curta. Os dois ficaram semanas sem se ver até que uma viagem ao Porto mudaria de vez essa história. Perceberam tanta coisa em comum que “voltando pra casa de autocarro, já saímos de mãos dadas”, relembra Mantas.

Os dois namoraram um ano, tempo em que ela ficou na Covilhã. Janine voltou ao país de origem no meio do ano passado e pouco depois, lá estava ele. Mantas ficou dois meses no Brasil e agora prepara-se para voltar. A viagem está marcada para a próxima semana e, na mala, vai a prenda que comprou para a amada em comemoração ao dia dos namorados. “Eu adorei o Brasil, a comida. Voltei de lá com 83kg”, conta sorrindo.

Se engana quem pensa que os planos desses dois não são duradouros. A ideia é terminar os estudos, ingressar no mestrado e construir uma vida juntos. Onde? Ah, isso não parece ser, pra já, uma preocupação. “O mundo está aberto”, conclui Mantas.

Neste São Valentim, o Viva Covilhã quis dar a conhecer uma história diferente, não imaginávamos que seria a do amor entre uma brasileira e um lituano. Esta cidade pode até ser pequena, mas por cá parece haver uma linda magia capaz de tornar diferenças culturais em mero detalhe. Feliz dia dos namorados!!

Aline Grupillo

Jornalista com 20 anos de experiência em jornalismo televisivo no Brasil. E-mail: jornalismo@redevivacidade.com