Cova da Beira

“Drive thru” de rastreio à Covid-19 testa 15 pessoas no primeiro dia

Por enquanto, testagem não será alargada para a população

“Drive thru” de rastreio à Covid-19 testa 15 pessoas no primeiro dia
FOTO: Aline Grupillo

A testagem é rápida e o utente sequer precisa descer do carro. Assim será o rastreio à Covid-19 no centro de testes “drive thru” inaugurado nesta segunda-feira (20), no Complexo Desportivo da Covilhã. A iniciativa representa a parceria conjunta do Agrupamento de Centros de Saúde da Cova da Beira, com os concelhos que formam a região (Belmonte, Covilhã e Fundão), além do Centro Hospitalar, o departamento de medicina da Universidade da Beira Interior e a GNR.

No primeiro dia, foram testadas 15 pessoas, em um processo que levava cerca de 28 minutos. A entrada dos utentes é liberada por um elemento da GNR e o percurso tem apenas duas paragens. Na primeira, os enfermeiros verificam a identificação e preparam os kits de teste. A colheita do material por meio de zaragatoas é feita na segunda triagem. O uso de máscaras é obrigatório e o vidro do carro só deve ser baixado quando for solicitado pelos profissionais de saúde.

Espaço é desinfetado após testes à Covid-19.

Segundo um dos responsáveis pelo novo centro de rastreio, o enfermeiro Carlos Martins, neste primeiro momento serão testadas pessoas que tiveram contacto com doentes infetados pela Covid-19, que sejam indicadas pela saúde pública ou que estejam para ingressar em instituições como, por exemplo, os lares para idosos. Os testes são enviados ao laboratório do CHUCB e ficam prontos entre seis e oito horas.

É feito o agendamentos pelas equipas da saúde pública, a GNR recebe essa informação. A partir deste momento, só entra cá quem estiver com o agendamento marcado. Hoje fizemos em 28 minutos, mas vamos passar a um quarto em quarto de hora.

Após a colheita das amostras, o espaço passa por uma dinfeção e deverá ser lavado pela Aguás da Covilhã.

Zonas de testes inaugurada nesta segunda-feira. FOTO: Aline Grupillo

Este centro é de se justificar porque primeiro temos que ter respostas imediatas para as situações de contactantes. Por outro lado, todas pessoas que vão trabalhar para instituições (centro de saúde, lares, bombeiros, etc.) devem fazer o rastreio antes, explica Carlos Martins.

Por equanto, os testes não serão alargadas à população em geral.

GNR controla entrada de utentes do centro de rastreio drive thru. FOTO: Aline Grupillo

Aline Grupillo

Jornalista com 20 anos de experiência em jornalismo televisivo no Brasil. E-mail: jornalismo@redevivacidade.com