Lazer

Goldra: o jardim a espera de revitalização e bom uso

Parceria entre a UBI e a Câmara Municipal prevê melhoramento do espaço

Goldra: o jardim a espera de revitalização e bom uso
Brinquedos avariados e falta de manutenção. FOTO: Benjamin Reis

Um grande espaço ao ar livre e que poderia ser melhor utilizado pelas crianças e adultos também. O Jardim do Goldra está encravado em uma zona nobre da Covilhã, liga um dos bairros mais populosos da cidade, o Anil, ao Polo Principal da Universidade da Beira Interior. Dizem os moradores e poucos frequentadores que este já foi um sítio de uso comunitário, especialmente no verão, mas, que nos últimos anos, o abandono tomou conta do lugar.

Um rápido passeio pelo jardim mostra por quê. Parte dos equipamentos está avariada. No passeio, faltam tábuas de madeira, outras estão partidas ao meio, o que representa um perigo para quem passa por cá. O espelho de água acumula sujidades e falta manutenção dos brinquedos. Não bastassem esses problemas, as pichações tomam as paredes e obrigam os utilizadores a ver palavras e desenhos por vezes ofensivos.

Seu Mário de Sampaio, 64 anos, tornou-se o “guardião” do Goldra. Todos os dias está a caminhar pelo jardim, a recolher o lixo e a reclamar com os adolescente que insistem em pichar as paredes e partir os vidros do antigo café. O idoso lembra-se que o espaço, ao longo da encosta do vale e da ribeira, não tinha vida nenhuma e que a reestruturação pretendia tornar o parque urbano uma via para a prática do desporto e para o lazer.

Isto foi uma grande obra, foi um cartão para a cidade, para quem vem de fora, para o turismo. Foi bem aproveitado, agora, as pessoas que cá estavam não cuidaram. Agora é o que vê, está tudo danificado, tudo destruído, uma bandalheira, comenta seu Mário.

A destruição inibe o uso pela população, especialmente pelos jovens que, segundo seu Mário, poderiam dar utilidade ao jardim com práticas radicais, percursos pedonais e cicláveis. O idoso se emociona ao falar do lugar que tenta cuidar com alguma regularidade.

Faço o que posso e o que me deixam fazer. Estar aqui é um desgaste tremendo, mas é por uma boa causa. O Goldra é para mim como um filho, é a melhor coisa que há.

Nesta quinta-feira (30), a Universidade da Beira Interior e a Câmara Municipal assinaram um memorando que prevê revitalização do Jardim do Goldra. Pela parceria estabelecida, a autarquia comporomete-se a fazer o prolongamento da avenida do Biribau, a partir da base do elevador da Goldra, até aos terrenos da UBI próximos da Biblioteca Central. A ligação permitirá à academia avançar com a construção de instalações dedicadas à área de Cinema, designadamente um plateau.

É uma mais valia que se encontra em expansão. O nosso anseio é que a Covilhã seja uma cidade campus, sem deixar de ser o que sempre foi: uma bela cidade turística e industrial, sublinhou o Reitor António Fidalgo.

Já o Presidente da Câmara Municipal, Vítor Pereira, manifestou a vontade de estar ao lado da UBI “ajudando a propiciar o desfrute, por parte da comunidade académica, desse campus”. No caso concreto do protocolo, autarca destacou que esta é uma zona impressiva, importante e histórica da Covilhã, que deve ser aproveitada.

“É um sítio óptimo para estudar, para a comunidade académica se divertir e onde pode coexistir com a população da Covilhã, sendo um espaço para todas as idades e que está subaproveitado. Temos de olhar em frente e concluir a ligação”, afirmou Vítor Pereira.

O Viva Covilhã já havia procurado a autarquia para saber quais eram os planos para a revitalização ampla do Jardim do Goldra, mas até o presente momento, não obteve resposta da comunicação.

Aline Grupillo

Jornalista com 20 anos de experiência em jornalismo televisivo no Brasil. E-mail: jornalismo@redevivacidade.com