O Dia Mundial da Língua Portuguesa

5 de Maio de 2020

Por Paula Brito*

Porque hoje se assinala, pela primeira vez, o Dia Mundial da Língua Portuguesa, vale a pena recordar.

A personalidade da língua portuguesa

Os estrangeirismos vieram para ficar, entram sem pedir licença no nosso léxico e coabitam com a língua de Camões, sem pejo nem pudor!

Hoje, já não se fazem brochuras, distribuem-se flyers, dando razão aos Clã quando cantam “a língua inglesa fica sempre bem e nunca atraiçoa ninguém”.

A língua portuguesa até pode ser traiçoeira, mas, tal como os portugueses, ela é tolerante. Abriu as portas do alfabeto ao y, w e k, e convive com os estrangeirismos como se fossem made in Portugal.

A língua portuguesa tem ritmo próprio, gosta de marcar encontros lá para as, cerca das, por volta das… adoramos locuções adverbiais! Só somos permeáveis à língua, já que a pontualidade, de britânica, nada tem.

A língua portuguesa é afetiva, utiliza sufixos consoante as emoções. Se quer dizer que é um belo rapaz, chama-lhe rapagão, se o sentimento é de compaixão, é um rapazito, mas se o tom for depreciativo, então, é um rapazote.

A língua portuguesa é delicada, não quer um café, ela queria um café, se não fosse muito incómodo, claro!

IMAGEM: Divulgação

A língua portuguesa é divertida, gosta de brincar com as palavras, chama geringonça a uma aliança política e salamaleques às formalidades!

A língua portuguesa é apaixonada, saudosa, sentida, sobretudo se cantada ou declamada. Este sentimentalismo, não passou despercebido ao poeta castelhano Lope de Vega, que escreveu a propósito:

“A un português que llorava, preguntaron la ocasión. Respondió que ele corazon, e que namorado estaba. Por minorar su dolor, le preguntaron de quién? Respondió: – Pues de ninguén, lloro de puro amor”.

Sei que não precisa de tradução. Ao contrário de nuestros hermanos, que chamam aos Xutos e Pontapés, Patadas e Patadas, nós, recusamo-nos chamar Pedras Rolantes aos Rolling Stones, e fazemo-lo com o melhor dos sotaques!

A nossa capacidade de assimilar e falar inglês deixa os próprios ingleses admirados! Eles bem tentam aprender a nossa língua, mas como? se ninguém fala português? No restaurante, no hotel, no café, na rua, todos os portugueses sabem falar inglês, está-lhes no sangue.

Um dia, atrás de um balcão, entrou um inglês, a quem, prontamente, perguntei: – May I help you? Ao que ele me respondeu: – Falas português?

O que ele queria mesmo era aprender a falar a nossa língua, assimilar a nossa cultura, não fossem os portugueses estragar-lhe os planos!

A língua portuguesa é cheia de personalidade, deixem que ela fale, e vai dizer muito da cultura de uma nação.

*Jornalista – www.nuncamaisesabao.net