coronavírus

Comércio da Covilhã retoma gradualmente as atividades

Comerciantes ainda estão cautelosos na reabertura.

Comércio da Covilhã retoma gradualmente as atividades
Centro da Covilhã. FOTO: Giovanni Ramos

Depois de mais de um mês com as atividades interrompidas, a lojista Adriana Moreira chegou cedo para reabrir a loja de roupas onde trabalha no Centro da Covilhã. Faltavam 15 minutos para às 9h quando ela chegou e ainda antes de as portas abrirem já havia público à espera.

Foram poucas pessoas, já tivemos vendas. Ainda não sabemos como vai ser essa primeira semana, mas por enquanto, a loja vai funcionar normalmente, comenta Adriana.

Este é o primeiro dia útil após o fim do Estado de Emergência no país, data em que parte do comércio está autorizado a reabrir. Para entrar nos estabelecimentos é preciso usar máscara ou o cliente pode receber uma multa. Os lojistas já orientam os clientes assim que eles entram nos estabelecimentos para os cuidados na proteção.

Proprietário de uma ourivesaria no Centro da Covilhã, Eduardo Rodrigues reforça que ainda é cedo para saber como será a movimentação no comércio. Ele destaca que as pessoas ainda sairão de casa para o essencial e que o horário de funcionamento das lojas pode mudar conforme o movimento.

Com as mesmas precauções, Rosa Barata, proprietária de uma loja de móveis e decoração, também tem dúvidas sobre a movimentação económicas nas cidades. Segundo ela, os problemas podem se estender por mais tempo, principalmente quando o layoff acabar.

A loja estará aberta em horário normal nessa semana, mas ainda temos que ver o que vai acontecer. Muitos foram prejudicados com as atividades encerradas, lembra Rosa.

Além de pequenas lojas de rua, outra atividade reaberta é a dos cabeleireiros, manicures e similares. Neste caso, além da máscara, é preciso fazer uma marcação prévia por telefone para usufruir dos serviços.

Regras e permissões até 17 de maio.

  • Mantém-se proibida a realização de eventos e ajuntamentos com mais de 10 pessoas.
  • Funerais mantém a regra que os presidentes de Câmara decidirem quanto ao limite máximo de pessoas a acompanhar, e com a presença de familiares.
  • Obrigatório o uso de máscara nos transportes públicos que continuarão com redução da capacidade a 2/3.
  • Confinamento obrigatório para doentes e vigilância ativa
  • Mantém o recurso do teletrabalho em atividades que podem ser feitas nesta modalidade.
  • Reabertura das lojas de rua até 200 metros quadrados, lojas de automóveis, livrarias, cabeleireiros, manicures e similares, cumprindo normais de higienização.
  • Reabertura de Bibliotecas, arquivos, jardins
  • Permissão para a prática de desportos individuais ao ar livre

Giovanni Ramos

Pesquisador de media regionais, atua no jornalismo desde 2005. E-mail: web@redevivacidade.com