Serra da Estrela

Faltam turistas e vendas despencam 90% no comércio da Torre

Comerciantes temem ter de fechar as portas por causa do Covid-19

Faltam turistas e vendas despencam 90% no comércio da Torre
Lojas vazias geram preocupação entre vendedores da Torre. FOTO: Benjamin Reis

Tem neve, mas não há visitantes. A situação dos comerciantes na Torre da Serra da Estrela já era complicada desde o início do ano devido às mudanças no clima que resultaram na diminuição acentuada na queda da neve. Os poucos dias de nevasca até agora, não tinham sido suficientes para garantir as receitas e a chegada do Covid-19 à Portugal terminou por complicar ainda mais a vida de quem depende do turismo na serra.

Na tarde desta terça-feira (17), o cenário era desértico. A brincar na neve, apenas dois casais. Um deles de Braga que pegou a estrada para trazer os amigos brasileiros a conhecer a região. A visita foi rápida. Ficaram poucas horas para evitar a exposição. “É de assustar. Eu fiquei com medo de chegar aqui e não ter nada aberto”, comenta o visitante Osmam Siqueira, que admite ter pensado duas vezes antes de trazer os amigos. “Tem que ser evitado, a coisa é séria. Nós é que estamos errados de estar na rua”, conclui.

Michele veio visitar o país há um mês, quando as notícias sobre o coronavírus ainda davam conta dos casos na China. Ela e o marido não conheciam a Serra da Estrela e decidiram arriscar por não saber quando teriam a próxima oportunidade. “Puxa, fui a Portugal e não conheci a serra”, fala a turista ao lamentar o curto tempo na neve.

“Tem que previnir mesmo para não acontecer o que aconteceu com a Itália. Eu acho que é válido”, conclui Michele, já a se despedir.

Comerciantes notam diminuição de 90% nas vendas. FOTO: Benjamin Reis

Depois de um fim de semana sem clientes, a administração do restaurante da Torre decidiu fechar as portas. O restaurante já não abiru esta semana e os que têm lojas no centro comercial temem ter de fazer o mesmo ainda que o Governo não opte pela decretação do estado de emergência.  “Primeiro pensei que não chevaga cá nada disto, agora está espalhado pelo mundo e é muito grave. Mas eu por ordem própria não vou fechar. Se houver ordens dos superiores para fechar, temos que fechar”, afirma Sérgio Branquinha, vendedor.

Os comerciantes afirmam que nesta altura, com neve, era suposto ter um movimento muito superior ao dos últimos dias. Todos procuram ficar mais afastados dos clientes, usar luvas e desinfetantes nas máquinas de pagamento automático para evitar a propagação do Covid-19. O que não conseguem evitar são os prejuízos.

Seu Manuel Maximino trabalha como vendedor na Serra da Estrela há três anos e diz nunca ter vistoa tão pouco turistas como agora. Afirma ainda que muitas excursões foram canceladas e que no último fim de semana, o patrão suspendeu a contratação de cinco colaboradores. Manuel nota uma redução de 90% nas vendas e está preocupado com as consequências do coronavírus.

“Eu preferia estar a trabalhar, ganhava-se mais. Ficar com 66% do ordenado em casa e depois o patrão tem que pagar aqui a renda, também não é fácil, não é?”.  

Aline Grupillo

Jornalista com 20 anos de experiência em jornalismo televisivo no Brasil. E-mail: jornalismo@redevivacidade.com