Solidariedade

Vai passar: iniciativa cria rede de doações na Covilhã

Pelo menos, 10 estabelecimentos aderiram à rede solidária

Vai passar: iniciativa cria rede de doações na Covilhã
Rede de solidariedade reduz distância entre doadores e quem necessita. FOTO: Vai Passar.

A iniciativa surgiu durante a fase mais grave do coronavírus para ajudar famílias em dificuldades financeiras. Sabe-se que muitos perderam os empregos, outros tiveram redução brusca nos rendimentos. Apesar dos problemas, pedir ajuda pode ser uma barreira, por isso, o objetivo do grupo voluntário de apoio e solidariedade na quarentena quer encurtar distâncias.

Através da página “Vai Passar – Grupo de apoio”, criada no Facebook, voluntários tentam construir uma rede de união entre quem pode doar e quem mais necessita de ajuda. O funcionamento é simples. Pede-se que os doadores deixem um valor pago em estabelecimentos do comércio local para que as pessoas em dificuldade possam fazer suas compras. Segundo os gestores da iniciativa, qualquer valor será bem-vindo e aproveitado. A depender da necessidade e do agregado familiar, será gerado um crédito que pode ser utilizado no comércio aderente.

Crédito em compras para famílias em dificuldades financeiras. FOTO: Vai Passar.

Pelo menos, 10 estabelecimentos entre mercearias, supermercados, patelarias e talhos, já aderiram à rede. Agora, pretende-se alargar a ação também para as farmácias. Em breve, as lojas estarão identificadas com um dístico. “A ideia é criar um sistema baseado na solidariedade garantido autonomia e dignidade para quem recebe”, explica uma das voluntárias, Elisa Bogalheiro.

Para entrar em contacto com o “Vai Passar”, basta aceder ao Facebook ou mandar email. Os organizadores esperam continuar com a iniciativa mesmo depois do fim do surto da covid-19.

Temos pessoas passando por momentos complicados. Infelizmente, a nossa iniciativa não resolve a vida de ninguém, mas pode ajudar a sair de um aperto. Ajudar na compra da semana, numa conta de farmácia inusitada ou até a comprar uma garrafa de gás. É antes de mais uma iniciativa baseada na solidariedade, e não na caridade, conclui Elisa.

Aline Grupillo

Jornalista com 20 anos de experiência em jornalismo televisivo no Brasil. E-mail: jornalismo@redevivacidade.com