Vila do Carvalho quer Mysteria o ano inteiro

Projeto Aldeia Mysteria deve começar com um restaurante As histórias de terror fazem parte do

Vila do Carvalho quer Mysteria o ano inteiro
FOTO: Giovanni Ramos/Viva Covilhã

Projeto Aldeia Mysteria deve começar com um restaurante

As histórias de terror fazem parte do imaginário da Vila do Carvalho. Uma região que demorou a ter energia elétrica, ganhou lendas de criaturas que surgiam nas sombras e assustavam os moradores da Vila. Foram essas lendas que motivaram a criação do Mysteria, um evento dedicado à fantasia e ao terror que, após três edições, pode ganhar um espaço fixo para ser visitado o ano inteiro.

A apresentação do projeto Aldeia Mysteria ocorreu terça-feira (19) na sede da Junta da União das Freguesias do Cantar-Galo e Vila do Carvalho. A intenção é fazer investimentos para que espaços temáticos de fantasia e terror estejam à disposição do público o ano inteiro.

O presidente da junta da união de freguesias, Pedro Leitão, explica que o primeiro passo do projeto da aldeia é a construção de estruturas físicas como os passadiços para a ilha fluvial da Vila do Carvalho, cujos recursos a junta já obteve, que irá permitir uma melhor circulação do público.

Outro passo é a construção de um restaurante que no inverno não haverá luz elétrica para tornar o ambiente de suspense. Leitão reforça que a Vila do Carvalho já dispõe da Casa do Terror e da Casa do Anjo. Com todas as estruturas montadas, a junta focará em um projeto de marketing para levar turistas para a região fora do período do evento, que terá sua próxima edição em 2021.

Parcerias e projetos

Durante o lançamento do projeto, professores do curso de Arquitetura da Universidade da Beira Interior estiveram presentes. Eles vão participar da proposta com projetos que ajudem a viabilizar a Aldeia Mysteria.

Quem também participará da proposta é o artista plástico Gabriel AV. Ele foi o responsável pela criação dos personagens do evento, entre eles a protagonista, também chamada de Mysteria.

“Covilhã é hoje uma cidade global por causa da universidade. Por isso, o universo do Mysteria foi criado com mitologias de diversos lugares do mundo”, comenta Gabriel, que reforça o desafio de ampliar o universo com a proposta da aldeia.

Giovanni Ramos

Pesquisador de media regionais, atua no jornalismo desde 2005. E-mail: web@redevivacidade.com